RGE lança edital para descontos para troca de motores elétricos

Concessionária fará um workshop para apresentar o programa Desconto Eficiente – Motores Elétricos, no próximo dia 27

A Rio Grande Energia disponibilizou nesta segunda-feira, dia 24 de outubro, o edital público do projeto Desconto Eficiente – Motores Elétricos. No documento está o regramento para que clientes industriais, comerciais, residenciais, rurais e do poder público participem do projeto que incentiva a retirada de circulação de motores elétricos antigos e a respectiva substituição por novos equipamentos, mais modernos e eficientes, garantindo o uso inteligente e consciente da energia elétrica.
No próximo dia 27 de outubro, a distribuidora do Grupo CPFL Energia realiza um workshop na sede da concessionária, em Caxias do Sul, para esclarecer dúvidas dos interessados em receber o incentivo do programa elaborado e executado pela Gerência de Eficiência Energética da CPFL. O projeto Desconto Eficiente – Motores Elétricos acontece nas três maiores distribuidoras do Grupo e têm R$ 2,4 milhões reservados à RGE.
O desenvolvimento do projeto faz parte de uma iniciativa mais ampla da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), denominada Incentivo à Substituição de Motores Elétricos: Promovendo a Eficiência Energética no Segmento de Força Motriz.
De acordo com o Balanço Energético Nacional, publicado pela  Empresa de Pesquisa Energética (vinculada ao MME – Ministério de Minas e Energia), o consumo de energia elétrica na indústria representa 38,8 % da energia consumida no país, e 67,9 % desta energia foi direcionada ao acionamento de motores elétricos. Com isso, aproximadamente 26 % de toda a energia consumida no Brasil foi utilizada nestes equipamentos.
Atendendo à solicitação da Aneel, a RGE lançou o projeto que concederá um bônus aos clientes para a aquisição de novos motores elétricos com o objetivo de desestimular o recondicionamento (rebobinamento) dos equipamentos avariados e, com isso, retirar de circulação modelos ineficientes por motores de alto rendimento energético, evitando o desperdício.
Previamente à concessão do bônus para a aquisição dos novos equipamentos, a RGE irá analisar os projetos encaminhados pelos interessados, avaliando as solicitações com base em critérios técnicos-econômicos. Só podem encaminhar propostas clientes atendidos pela concessionária. Aqueles que estiverem na área de concessão, mas não estiverem ligados diretamente à rede básica de distribuição estão automaticamente excluídos do processo.
Entre as principais regras para ser beneficiado com o projeto está avaliação de Compliance, que envolve a análise de processos de corrupção e o cumprimento integral da Lei Anticorrupção (Lei 12.846/2013). Após o envio dos projetos, sendo considerado apto, a proposta será ranqueado, e aqueles que se adequarem ao orçamento previsto no edital público podem ser contemplados.
Conforme o edital, após a instalação do novo motor, o cliente deverá realizar o descarte do motor antigo. Esse procedimento deverá ser evidenciado por meio de certificado ou lado. Quem for beneficiado ainda estará sujeito a vistorias periódicas da RGE para executar as medições no novo equipamento para que a sua eficácia operacional e energética possa ser comprovada.
Fonte: CanalEnergia
24/10/2016.

 

Eletrobras vai licitar ativos imobiliários para fazer caixa no curto prazo

Edital do leilão da Celg deverá ser publicado após assembleia marcada para 24 de outubro

O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, determinou as subsidiárias que identifiquem ativos imobiliários que não estão sendo utilizados ou que não são mais necessários, com objetivo de colocá-los à venda rapidamente para gerar recursos e melhorar a situação de caixa da maior empresa do setor elétrico brasileiro. O tema é considerado prioritário, uma vez que a captação de recursos por meio da venda de participações de energia precisará ser avaliada com mais cautela, para evitar que os empreendimentos sejam vendidos na “baixa”.

O plano de venda, que deverá envolver imóveis e terrenos de propriedade do grupo, será levado para discussão do Conselho de Administração da Eletrobras em 9 de novembro. “Nós determinamos a todas as controladas a identificação desses imóveis. Esses são prioritários”, disse o executivo jornalistas nesta sexta-feira, 21, durante evento sobre infraestrutura em São Paulo promovido pela Abdib e Amcham Brasil. Para dar uma dimensão do potencial de captação de recursos, ele citou um terreno no Estado no Rio de Janeiro que foi comprado no passado por R$ 100 milhões e deverá ser vendido. A venda desses ativos será feita por meio de leilão.

Já a venda dos ativos operacionais de energia será avaliada “com mais critério”. “Não queremos vender na baixa. Temos a possiblidade de fazer melhorias operacionais [nos ativos]”, disse Ferreira, destacando que o grupo Eletrobras tem participação em 178 empreendimentos. “Nosso objetivo é minimizar uma perda de resultado econômico. Então temos que ser rigoroso em eventual seleção no que deverá ser vendido no melhor preço.”

Sobre a licitação da distribuidora goiana Celg, a Eletrobras convocou assembleia para próxima segunda-feira, 24 de outubro, para deliberar sobre a aprovação da operação. A expectativa é que o edital do leilão seja publicado na próxima semana. Ferreira acredita que haverá disputa pela aquisição da Celg. A Eletrobras espera captar ao menos R$ 1 bilhão com a venda da distribuidora. “Eu acredito que vai ter competição.”

Fonte: Canal Energia

 

Senado aprova sem alterações projeto da MP 735

Artigo sobre usinas a carvão provocou polêmica, mas prevaleceu preocupação em evitar a perda da validade da MP

O plenário do Senado aprovou o projeto de conversão da Medida Provisória 735, que promove diversas alterações nas regras do setor elétrico e permite a privatização das distribuidoras Eletrobras. A votação na tarde desta quarta-feira, 19 de outubro, aconteceu após muita discussão sobre a retirada do artigo 20 do projeto de lei, que prevê a criação de política pública para a modernização das usinas termelétricas a carvão mineral. Como não houve alterações, o texto segue para sanção presidencial.

A emenda incluída na versão final do relatório do deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA) teve um pedido de impugnação do senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP ) rejeitado pelo plenário. Aprovado o texto principal, os senadores votaram – por 45 votos a 14 – contra o destaque que propunha a supressão do artigo.

A maior preocupação dos governistas era evitar qualquer mudança no projeto da MP, que perderia a validade nesta quinta-feira, 20. O líder do governo no Senado, Aloisio Nunes (PSDB-SP), destacou que era contrário à emenda do carvão, por entender que ela escapa ao tema da MP, mas recomendou a aprovação do texto completo, para evitar a devolução da matéria à Câmara.

Representantes da base do governo dividiram-se entre os que os que criticavam a emenda, como o senador José Anibal (PSDB-SP), e os que apoiavam a proposta, caso dos senadores Paulo Bauer (líder PSDB-SC) e Ana Amélia (PR-RS). Apesar das divergências, os apelos para evitar que o fim da MP comprometesse a aplicação de outras mudanças incluídas no projeto de lei surtiram efeito.

Entre os parlamentares da oposição, além do questionamento à proposta que entidades ambientalistas consideram um retrocesso, havia a preocupação com a situação das distribuidoras do Norte e do Nordeste que não renovaram os contratos de concessão e deverão ser privatizadas em 2017.

O texto final da 735 foi aprovado no último dia 11 pelo plenário da Câmara. Entre outras medidas, ele transfere a gestão de encargos setoriais como a Conta de Desenvolvimento Energético, a Conta de Consumo de Combustíveis, e a Reserva Global de Reversão para a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, a partir de janeiro de 2017.

O projeto aprovado na Câmara também restabeleceu os descontos nas tarifas de uso dos sistemas de transmissão e distribuição (Tust e Tusd) para empreendimentos eólicos e a biomassa, que haviam sido suprimidos por uma emenda na comissão especial que tratou do tema. Há também dispositivo que protege os trabalhadores das distribuidoras de demissões em massa após a privatização das empresas.

Outro dispositivo permite que agentes do setor elétrico em dificuldades financeiras possam apresentar plano de transferência de controle societário como alternativa à extinção da outorga, o que vai permitir uma solução para a empresa espanhola Abengoa, que está em processo de recuperação judicial. O texto também prevê mudanças no acordo de Itaipu e transfere do Tesouro para o consumidor o custo das sobras de energia da hidrelétrica que o Brasil compra do Paraguai.

Fonte: CanalEnergia
19/10/2016

2017 deve chegar com novo reajuste na energia elétrica

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) prepara um novo reajuste na tarifa de energia elétrica para o ano que vem. A medida é uma consequência da cedência de energia produzida na hidrelétrica de Itaipu ao Paraguai, ainda no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O índice deverá ficar entre 0,6% e 0,9%. Esse aumento deve ser repassado nas tarifas no próximo ano para consumidores das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Sete anos após o acordo que triplicou o valor de um dos componentes da tarifa, o governo decidiu livrar o Tesouro Nacional dessa conta e transferi-la integralmente ao consumidor.

Fonte: O correio

16/08/16

 

PLD – Preço de Liquidações das Diferenças

Semanas de Outubro de 2016

Semana 1 – Período: 01/10/2016 a 07/10/2016
Sudeste/Centro-Oeste Sul Nordeste Norte
Pesada Media Leve Pesada Media Leve Pesada Media Leve Pesada Media Leve
217,84 216,18 207,74 217,84 216,18 207,74 217,84 216,18 207,74 217,84 216,18 207,74
Semana 2 – Período: 08/10/2016 a 14/10/2016
Sudeste/Centro-Oeste Sul Nordeste Norte
Pesada Media Leve Pesada Media Leve Pesada Media Leve Pesada Media Leve
217,27 217,27 210,48 217,27 217,27 210,48 217,27 217,27 210,48 217,27 217,27 210,48
Semana 3 – Período: 15/10/2016 a 21/10/2016
Sudeste/Centro-Oeste Sul Nordeste Norte
Pesada Media Leve Pesada Media Leve Pesada Media Leve Pesada Media Leve
195,75 195,75 189,23 195,75 195,75 189,23 195,75 195,75 189,23 195,75 195,75 189,23
Semana 4 – Período: 22/10/2016 a 28/10/2016
Sudeste/Centro-Oeste Sul Nordeste Norte
Pesada Media Leve Pesada Media Leve Pesada Media Leve Pesada Media Leve
168,7 168,7 160,74 168,7 168,7 160,74 168,7 168,7 160,74 168,7 168,7 160,74